30 de setembro de 2012

Suprir as necessidades emocionais do bebê é tão primordial quanto as de alimentação e de higiene.

Amor e carinho não é luxo, é necessidade. Todos precisamos. E se nós, adultos, homens e mulheres já formados sabemos quão grande é esta necessidade, imagina um bebêzinho, neném ou criança?
 
Segue texto da psicóloga clínica Ana Maria Morateli da Silva Rico, publicado no boletim GUIA DO BEBÊ do UOL:
 
Suprir as necessidades emocionais do bebê é tão primordial quanto as de alimentação e de higiene. Essa é uma das tarefas mais árduas que os pais terão pela frente, pois deverão apreender o significado de cada choro, de cada expressão de seu rosto, para poder satisfazê-las.
Ao nascer, a criança não vem acompanhada de manual de instruções e não chega dominando a linguagem para se expressar. É através do choro que manifesta quando algo não está bem. Os pais se desesperam por não conseguir entender seu sofrimento e o que está querendo transmitir.
Muitas vezes, o único desejo do bebê é estar no colo da própria mãe, aconchegado, para que escutando e reconhecendo seus sons internos, mais precisamente, o batimento cardíaco, com que conviveu por longos meses, possa se acalmar, sentindo-se novamente segura e protegida deste mundo que lhe é totalmente desconhecido e, portanto, ameaçador. Outro som tão seu conhecido, é o da voz materna, que aprendeu a discernir entre tantos outros quando ainda se encontrava em seu útero. É a voz mais suave e melodiosa e que lhe dá imenso prazer, pois a reassegura contra seus próprios medos e angústias.
 
Mãe com seu bebê no colo - ThinkStock
Aos poucos, os pais vão aprendendo a identificar o significado de cada manifestação infantil e assim, entre acertos e erros, vão construindo o próprio manual junto com seu filho.
Essa afinidade na identificação dos sentimentos infantis é de suma importância para a qualidade do vínculo materno-filial, que irá se estabelecer com o decorrer do tempo, e que vai sendo fortificado através da crescente confiança entre eles. As emoções vão sendo decodificadas para a criança, que se desenvolve sabendo nomeá-las de uma forma natural e honesta.
Para isso, faz-se necessário que os sentimentos considerados socialmente inaceitáveis como raiva, ódio, ciúme, inveja, sejam aceitos da mesma maneira que os chamados “positivos”, como amor, alegria, generosidade, carinho, prazer e outros.
Se uma criança for ridicularizada ou repreendida pelos seus sentimentos, passará a ocultá-los toda vez que os sentir, o que dificultará a compreensão dos pais em relação às atitudes de seu filho, distanciando-os um do outro cada vez mais.
Desenvolvendo-se num ambiente familiar onde as emoções, quaisquer que sejam, possam ser vivenciadas e aceitas, onde os pais deem espaço para que o filho possa falar livre e espontaneamente, quando chegar a adolescência este mesmo filho sentir-se-á à vontade para falar de outros problemas que o aflige, podendo ser melhor orientado.
Muitos pais iniciam o diálogo com seus filhos mais tarde, quando acham que já estão aptos para compreender o significado das palavras, esquecendo-se que uma relação se constrói precocemente, desde seu início, para que a confiança possa ser conquistada. Como desejar que tenham intimidade suficiente para dialogar, se se passou tanto tempo sem perceber o quanto ficaram à mercê de suas próprias emoções e dificuldades em fases anteriores.
Uma relação de amizade e amor só será possível se, desde muito cedo, a criança se sentir compreendida e respeitada em seus sentimentos para aceitá-los como parte de si mesma e, assim, se sentir autorizada a falar sobre o que lhe está causando angústia ou sofrimento, bem como, alegria e prazer.
 

29 de setembro de 2012

Agenda Cultural Infantil de Brasília: 29 e 30 de Setembro




Teatro Infantil: "O Pequeno Princípe", com Cia. Néia e Nando


Data: 29 e 30
Local: Teatro Escola Parque (307 Sul)
Horário: 17h
Entrada: R$30,00 (inteira) e 15,00 (meia)
Na adaptação teatral da Cia brasiliense, a caixa cênica se transforma em planetas, sendo que o do Acendedor de Lampiões ganha ares do nosso nordeste. “ O protagonista gosta desse planeta porque o homem que nele habita, trabalha muito. Motivo que nos levou a evidenciar  essa semelhança com o povo brasileiro”, justifica a diretora Néia Paz .





Teatro Infantil: "Os Saltimbancos"

Data: 29 e 30
Local: Teatro Mapati - 707 Norte, Bloco K, nº 05
Horário: 17h
Entrada: R$30,00 (inteira) e R$15,00 (meia)

Os Saltimbancos, inspirada no conto dos irmãos Grimm -- "os Músicos de Bremen" --, narra o encontro de quatro animais (um jumento, um cachorro, uma galinha e uma gata) que sofrem maus tratos de seus donos e resolvem fugir. Juntos, fazem uma jornada até a cidade em busca de seus sonhos: formarem um grupo musical.
Mas nem tudo acontece facilmente. No caminho encontram seus antigos donos e, para não voltarem às péssimas condições em que viviam, resolvem enfrentá-los.


Teatro Infantil: "Rapunzel", com Cia. Teatral Néia e Nando

Data: 29 e 30
Local: Teatro Brasília Shopping
Horário: 15h e 17h
Entrada: R$30,00 (inteira) e R$15,00 (meia) e R$12,00 (+ BSB Kids e Sócios do Clubinho Néia e Nando).
O clássico infantil conta a história de um casal sem filhos que queria uma criança vivia ao lado de um jardim murado que pertencia a uma bruxa. A esposa, no fim da gravidez, viu um rabanete no jardim e o desejou obsessivamente, ao ponto da morte. Por duas noites, o marido saiu e invadiu o jardim da bruxa para recolher para a esposa, mas na terceira noite, enquanto escalava a parede para retornar para casa, a bruxa apareceu e acusou-o de furto.
O homem implorou por misericórdia, e a bruxa concordou em absolvê-lo desde que a criança lhe fosse entregue ao nascer. Desesperado, o homem concordou; uma menina nasceu, e foi entregue à bruxa, que nomeou-a Rapunzel. Em 60 minutos, as crianças irão se divertir e ver que esse conto infantil tem um final feliz e muito bonito.


Festival de Teatro Infantil: Dengosa, a Mosquita Teimosa" e 

"Show de Mágica", com Tio André

Data: 29 e 30
Local: Praça Central - Alameda Shopping
Horário: 16h
Entrada franca



Liberty Kids: Brinquedoteca com Tia Docinho"


Data: 29
Local: Praça de Alimentação do Liberty Mall
Horário: 12h às 18h






"A Última Flor", com Cia. Burlesca


Data: 29
Local: Lojas Fnac - Parshopping
Horário: 16h
Entrada: Franca
A Companhia Burlesca brinca com o ridículo, aproveita-se dos arquétipos estereótipos e se diverte com o cotidiano do homem moderno. Com um humor ingênuo, escrachado e inteligente, a Companhia Burlesca utiliza as linguagens da música ao vivo, da tradição oral, do teatro de animação, das pantomimas e a linguagem clownesca, para narrar contos, cordéis, lendas, parlendas e histórias de todos os estilos e originárias de todos os continentes.
Acontece Ainda:



Oficina de Biolúdica


Horário: 17h





Cuentacuentos: "Contos Tradicionais da América Central"

Data: 29
Local: Livraria Cultura - CasaPark Shopping - Guará
Horário: 17h
Entrada: Franca


Storytelling: "Annie’s Perfect Pet"



Data: 29
Local: Livraria Cultura - Shopping Center Iguatemi Brasília - Lago Norte
Horário: 17h
Entrada: Franca



Evento Infantil: "Feira de Troca de Brinquedos"

Data: 30
Local: Jardim Botânico de Brasília
Horário: 9h às 12h
Entrada: Franca
Proposta inovadora e voluntária, para trabalhar com as crianças conceitos relacionados ao Movimento Infância Livre de Consumismo. Cada criança deve levar um brinquedo em bom estado para efetuar a troca e um lanche para o piquenique. Além da troca de brinquedos serão realizadas atividades como: contação de história, teatro, capoeira e circo; atividades ecológicas como plantio de árvore e outras.





Evento Infantil: Clownpinique

Data: 30
Local: Torre de TV
Horário: 17h
Entrada: Franca



Hora Animada: "O Dono da Bola", com Cia. Três Amiguinhos

Data: 30
Local: Boulevard Shopping - Asa Norte
Horário:17h
Entrada: Franca



Domingo no Pátio: "Tethéte - O Vampiro que Mascava Chiclete", com Cia. Teatral Jorge Crespo




Data: 30
Local: Pátio Brasil Shopping
Horário: 16h30


No seu aniversário de 600 anos, o Vampiro Tethéte, que ainda é um jovem adolescente, resolve sair de seu esconderijo para “aterrorizar” as crianças convidadas para a festa e, assim, comemorar o seu grande dia. Mas, como ele perdeu seus dentões de vampiro de tanto mascar chicletes e comer balas, a garotada não se assusta muito. Até que ele começa a mostrar seus incríveis poderes, fazendo mágicas e tentando hipnotizar as crianças. Tudo com a ajuda de seus zumbis e múmias, cúmplices nos truques vampirescos. 




Domingo é Dia de Teatro: "Xarará e a Mala para Sempre"



Data: 30
Local: Teatro Eva Herz - Iguatemi Brasília
Horário: 15h
Entrada: Franca (mediante retirada de ingresso no Concierge a partir das 12h)







 O Canto do Conto: "Rabequinha Toca Luiz Gonzaga"com Cia. Burlesca



Data: 30
Local: Praça das Palmeiras - Terraço Shopping
Horário: 17h
Entrada: Franca







Quando ser mãe é um diferencial no mercado de trabalho

Assim como criticamos e combatemos as más gestões no mercado de trabalho que desprivilegiam as grávidas e as mulheres que são mães, fazemos muita questão de destacar as iniciativas louváveis.

Sim, queridos leitores, há empresas que valorizam a mulher e a maternidade passa a ser um requisito de destaque. Sabemos que isso se torna um ciclo vicioso porque a mulher valorizada e confiante produz mais e melhor e fica cada vez mais motivada, produzindo sempre mais e melhor - independente de suas necessidades e adaptações pessoais ao trabalho.

Sendo assim, reproduzimos aqui a matéria publicada no boletim GUIA DO BEBÊ do UOL, que de tão boa de se ler parece um copo de água bem gelado no calorão que andou nos rondando esses dias, não é?

Segue a postagem:

Será que existem no mercado empresas que valorizam o fato da profissional ser uma mãe? Veja aqui nossas descobertas.

Já foi o tempo em que as empresas evitavam contratar funcionárias que eram mães, tinham filhos pequenos ou estavam em uma idade que logo pensariam em ter filhos. Durante muito tempo essas mulheres foram vistas como um péssimo negócio, já que ficariam afastadas durante a licença maternidade, faltariam no trabalho quando o filho pequeno adoecesse ou teriam que sair cedo para as reuniões na escolinha.
Hoje a realidade é outra. Embora algumas empresas ainda adotem essa política de não contratar mulheres que são ou desejam ser mães, a maioria dos empresários tem uma visão bem diferente dessa questão.
Sobre esse assunto, o Guia do Bebê conversou com algumas empresas fabricantes de produtos para mamães e bebê e descobriu que nesse ramo ser mãe não é um problema. Pelo contrário, a funcionária que faz parte desse universo, que vivencia a maternidade, pode contribuir e muito para o desenvolvimento da marca.
 
AS EMPRESAS PARTICIPANTES
Nossa breve pesquisa foi realizada com cinco empresas que trabalham no segmento voltado para o universo mamãe-bebê, ou seja, gestantes e crianças de até um ano de idade. São elas: Baby.com.br, Klin, Kuka, Lillo, Pimpolho e Quater.
 
O QUADRO DE FUNCIONÁRIOS DA EMPRESA
O Guia do Bebê perguntou aos entrevistados qual a porcentagem de mães quem compõem o quadro de funcionários dessas empresas. A maioria afirmou que entre 33 a 40% dos funcionários se encaixam nesse perfil. Já na Quater, 84 % das mulheres que trabalham na empresa são mães de família.
Segundo Fabiana Zancan, gestora de pessoas da Klin, dos 2.542 colaboradores que trabalham atualmente na fábrica, 1.002 são mães, ou seja, 39,4% dos funcionários. “Vale ressaltar que 69,3% do nosso quadro são mulheres, e muitas ainda terão a graça de serem grandes mamães”.
Na equipe do Baby.com.br, mais de 1/3 das funcionárias são mães. “Essa presença marcante acontece desde o início e é estimulada pela empresa. A 2ª pessoa a entrar na equipe é mãe”, diz In Hsieh, co-fundador do site.
 
QUANDO A FUNCIONÁRIA ENGRAVIDA
Além de não ter nenhuma restrição para a contratação de mulheres, essas empresas, assim como tantas outras atualmente, oferecem diversos benefícios e incentivos para as mulheres que desejam se tornar mães.
A gerente de marketing da Kuka, Rose Morilla, garante que a empresa não vê nenhum problema quando a funcionária engravida. “Pelo contrário, é uma alegria”, diz ela. A grande preocupação da empresa é oferecer uma escolinha perto da sede da empresa, onde as mães possam deixar seus filhos quando terminar a licença. “A Kuka oferece um grande benefício para as funcionárias que são mães: creche para os filhos até os 6 anos de idade, e não apenas até os 2 anos, como a lei prevê”, conta Rose.
 
In Hsieh - Baby.com.br
In Hsieh - Baby.com.br Foto: Divulgação
No site Baby.com.br, o grande diferencial é a postura da empresa diante de uma gravidez. “Não temos nenhum problema em contratar mulheres que planejam ficar grávidas, pelo contrário, criamos um ambiente altamente favorável e ficamos muito felizes quando isso acontece”, afirma In Hsieh, co-fundador do site. “Um exemplo é a nossa Diretora de Operações, Aline Salles. Ela trabalhava em uma empresa que é exemplo de ambiente profissional para mulheres, mesmo assim, decidiu por vir para a Baby quando conheceu nossa postura em relação à gravidez”.
Na Pimpolho, empresa que há 50 anos produz calçados de bebê, além do apoio dos diretores e de toda a equipe, a funcionária que engravida também ganha um kit de sapatinhos. “Fazemos questão de estar presentes na vida desses bebês desde o início. E as mães que nos ajudam a produzir esses sapatinhos sempre sonham em um dia calçar seus filhos com eles. É um momento muito especial!”, afirma Rose Padovani, gerente de Recursos Humanos da empresa. Ela também conta que no Dia das Mães, quando essas crianças visitam a fábrica e fazem uma homenagem, é outro momento muito emocionante. “Ver essas mulheres não apenas como funcionárias mas como grandes mães nos ajuda a crescer a cada dia”.
 
O VALOR DA FUNCIONÁRIA-MÃE
Como uma empresa do segmento mamãe-bebê, a Quater busca no mercado profissionais que sejam mães preferencialmente. “Principalmente na área comercial da empresa este quesito conta positivamente. Uma mãe vivencia as reais necessidades, ou futilidades, nos produtos e consegue repassar isto aos clientes de maneira mais clara, sendo mais verdadeiro o processo da venda”, afirma Priscila Fleishman, gerente de marketing da Quater.
 
Rosana Fiorelli - Lillo
Rosana Fiorelli - Lillo Foto: Divulgação
O Departamento de Marketing da Lillo é conduzido por uma mulher e mãe, a Rosana Fiorelli. Como uma empresa do segmento infantil, a Lillo acredita que este seja um diferencial para a marca, pois há uma sinergia maior entre o trabalho e as reais necessidades dos consumidores. “Para esta função em especial, o olhar de uma mãe, a troca de experiências e dicas rotineiras colaboram na execução dos trabalhos a serem desenvolvidos para o portfólio de produtos e direcionamento da marca”, diz Rosana. “Dizemos que nossos consumidores são formados pelo novo perfil de mãe, ou seja, executiva, mulher, esposa, responsável pelo dia a dia dos filhos, e ter alguém com este perfil na gestão dos trabalhos de MKT facilita a interpretação das necessidades de nossos consumidores”.
A Pimpolho sempre usou a experiência e sensibilidade das funcionárias-mães a favor da marca. “Fazemos das nossas mães multiplicadoras da mensagem que a Pimpolho quer transmitir, e também adquirimos com elas suas opiniões e experiências como mães para melhorar ainda mais nossos produtos”, afirma Rose Padovani, gerente de Recursos Humanos da Pimpolho. Ela afirma que ser mãe nesse mercado de trabalho é algo muito positivo. “Esperamos poder continuar contando com o apoio das centenas de mães quem fazem parte da nossa equipe para mantermos a qualidade de nossos produtos”.
 
Rose Padovani - Pimpolho
Rose Padovani - Pimpolho Foto: Divulgação
PARTICIPAÇÃO NA EMPRESA
Já que as funcionárias-mães estão tão envolvidas no universo do bebê, porque não utilizar esse conhecimento delas para aprimorar os produtos e sugerir melhorias na empresa?
Fabiana Zancan - Klin
Fabiana Zancan - Klin Foto: Divulgação
É o que faz a Klin. “Realizamos pesquisa de produtos com nossas mamães colaboradoras para entender e mergulhar ainda mais neste universo recheado de carinho, proteção e diversão das crianças. Nada é mais consistente que ouvi-las para aumentar a assertividade e colher bons frutos desta parceria”, diz Fabiana Zancan, gestora de pessoas da Klin.
A empresa também tem um projeto chamado “Bate Papinho”, destinado aos filhos de colaboradores, onde contam a história da marca e mostram, através de um vídeo lúdico, o processo de fabricação do calçado, desde a idealização pelas estilistas até a chegada aos pezinhos das crianças.
Embora a Kuka não tenha nenhum projeto especial focado na participação de funcionarias que são mães, de uma maneira informal, as funcionárias também participam da criação de novos produtos com ideias. “Sempre acabamos envolvendo os funcionários de uma forma geral, em uma pesquisa de cores, por exemplo”, afirma Rose Morilla, gerente de marketing da Kuka.
Na Quater essas mães ocupam diversos setores dentro da organização, assumem cargos de alta liderança e até processos manuais dentro do parque fabril, e estão diretamente envolvidas no planejamento estratégico da empresa, bem como, tendo total abertura na sugestão de novos produtos e análise dos futuros lançamentos. O incentivo é realizado pela própria liderança e atrelado diretamente por um Programa de Prevenção de Riscos.
A VISÃO DAS FUNCIONÁRIAS
Helen Cristina Alves Ramos, 31 anos, é analista de vendas da Klin, trabalha há 10 anos na empresa, é mãe da Amanda de 5 anos e está grávida de outra menina. Ela está muito feliz de poder trabalhar e conciliar seu papel de esposa, mãe e profissional. “Tenho todo o apoio da empresa e recursos necessários para ter esse equilíbrio. Amo cuidar da minha filha em sua rotina, mas me sinto também realizada em ser uma profissional atualizada”, diz Helena.
 
Helen Cristina Alves Ramos - Klin
Helen Cristina A. Ramos - Klin Foto: Divulgação
Ela conta que antes de entrar na Klin trabalhava em um escritório de contabilidade e não conseguia interagir com a empresa, apenas executava seu trabalho. Hoje, ela contribuir com a marca de uma maneira muito mais especial. “Se trata de uma empresa que trabalha além do resultado, com a mente e a alma, isso é um grande diferencial que nos torna parte de toda construção. Temos também um acompanhamento mensal de profissionais da área da saúde onde somos orientadas e atualizadas dos cuidados com nossos pequeninos”.
Outra funcionária satisfeita em trabalhar em uma empresa que respeita a maternidade é a Aline Salles, diretora de operações da Baby.com.br, que está grávida de gêmeos. “Trabalho desde meus 16 anos e tenho muito prazer nisso. Gosto de me sentir produtiva, de formar um time, de construir processos e atingir objetivos. Hoje planejo após minha licença maternidade voltar a trabalhar e manter uma rotina equilibrada com as duas coisas, e acredito que a Baby é uma empresa que vai continuar me propiciando esse equilíbrio”.
 
Aline Salles - Baby.com.br
Aline Salles - Baby.com.br Foto: Divulgação
Aline trabalhava em uma grande empresa, que tem uma politica muito bacana com a maternidade, quando recebeu o convite para trabalhar na Baby, que estava começando suas atividades. “Ao conversarmos, deixei claro meu objetivo em engravidar e eles me apoiaram, dizendo que isso não era um impedimento para nossa negociação e que, pelo contrário, ter uma mãe na liderança das áreas de prestação de serviços seria um diferencial. Então, senti que o benefício de alinhar desafios profissionais que muito me estimulam com a tranquilidade e o apoio dos fundadores do site pela minha gravidez seria uma combinação perfeita”.
 
Agradecimentos:
Baby.com.br - www.baby.com.br

Paula R. F. Dabus


28 de setembro de 2012

Programa de Relacionamento Dermodex Prevent

 
Mamães corujas e babonas amam registrar todos os momentos fofos do seu bebê, desde a gravidez até os primeiros passos, não é verdade? A barriga crescendo, o ultrassom, o parto, primeiro banho, as primeiras palavras, a roupinha nova, dormindo, acordando, sorrindo e por aí vai! Melhor ainda é compartilhar toda essa corujice pelo Facebook, dividindo esse momento tão mágico e marcante com as pessoas que você mais ama!

O Programa de Relacionamento Dermodex Prevent foi desenvolvido para as mães modernas que desejam curtir esse momento tão especial de forma criativa e divertida!

São oito aplicativos super bacanas, que além de serem divertidíssimos, auxiliam os pais no desenvolvimento dos bebês. Ao se cadastrar no Programa de Relacionamento Dermodex Prevent, os pais poderão receber boletins semanais com o conteúdo informativo para auxiliar no desenvolvimento do bebê, postar fotos do bebê (com direito a molduras lindas e legendas criadas por seus próprios amigos e familiares), criar um vídeo emocionante da evolução do barrigão com fotos em stopmotion, organizar o chá de bebê, acompanhar o crescimento do seu filho e muito mais!

E se a gente falar que além de espalhar fofura, as mamães ainda podem ganhar prêmios?! Sim, o programa permite que pontos sejam acumulados e trocados por prêmios ao usar os aplicativos: kits Dermodex, CDs “Hora de Nanar”, assinaturas da Revista Crescer e vale-compras.

Para participar de tudo isso, é preciso ser ou conhecer uma gestante ou que tenha um bebê de 0 a 2 anos, ter uma conta no Facebook, curtir a página de Dermodex Prevent e seguir as instruções dos nossos aplicativos corretamente!

Todas essas ferramentas já estão disponíveis gratuitamente. Elas podem ser baixadas via Facebook e utilizadas tanto em computadores quanto em iPads e iPhones. Depois do download, é só dar início à diversão e ao compartilhamento de fofuras, registrando o crescimento dos bebês e analisando altura, peso e dentição dos pequenos.

*post publieditorial

Sobre traumas de infância

Foi assim...
Um belo dia foi veiculada a infeliz notícia de um bebê, quase criança, poucos menos de dois aninhos, que faleceu vítima de afogamento na piscina da escola. A notícia comoveu todo o Distrito Federal e, é lógico, apavorou as mamães de primeira viagem com filhos de idade aproximada. A minha primeira reação foi comparecer à primeira aula experimental de natação para bebês que eu encontrasse porque entendi que minha filha TINHA QUE aprender a nadar. Até aí tudo bem...
 
Só que ela não processou a informação como EU ACHAVA que deveria e o tiro acabou saindo pela culatra. Na dita aula experimental (que além de ser maravilhosa, bem conceituada, eu recomendo muito) a menininha de um ano ficou APAVORADÍSSIMA, gritou, chorou, berrou sem parar e pediu para ir embora do começo ao final. Foram pouco mais de quarenta minutos, dos mais longos de nossa vida, de sofrimento e gritaria. Muita gente de verdade (porque todas as mães da região onde moro tiveram a mesma idéia naquela semana ante o impacto da notícia veiculada, o que fez a aula experimental LOTAR ao quadrado e um pouco mais).
Enfim, o saldo daquele sábado pela manhã foi uma neném que pegou verdadeiro horror a piscina, praia e, a mistura de um dos dois + muita gente, virava filme de terror. Pior do que isso era ouvir de pessoas variadas (gente próxima e nem tanto) frases horríveis e insensatas do tipo:

"-Coitada, ela nunca mais vai conseguir entrar em uma piscina."
"-Desista, ela só vai superar deste trauma com anos de terapia."
"-Tudo isso é culpa sua, onde já se viu uma criança pequena ter que aprender a nadar porque a mãe acha que é bom..."
"-Que pena que sua filha é assim, deve ser péssimo para vocês. Tenho filho(a) mas ele(ela) ama praia e piscina..."

É, minha gente, tem horas que em boca fechada não entra mosquito e quando o inconveniente não fecha a matraca o jeito é tapar virtualmente os ouvidos. Só pra não ser deselegante porque o povo também, viu?! Faz favor, falta de noção é pouco. Se não pode ajudar não atrapalha, né?... #protesto

Aqui também faço uma homenagem agradecida ao pai dela que não só não acreditou em nenhuma das bobagens que ouvimos como insistiu sempre que teve oportunidade. Ele conversava com nossa menina sobre o assunto, dizia que piscina é muito legal e praia também. Não deixava de entrar na água, mesmo quando ela implorava aos prantos que ele não fizesse isso, como se entrar na piscina fosse um sofrimento para todos e não somente para si mesma.
Até que chegou o grande momento: planejamos toda a nossa viagem de férias pelo litoral do nordeste brasileiro (João Pessoa, Natal e Salvador) para curtir cidades paradisíacas com lindos hotéis e piscinas. Um passinho de cada vez. Uma festa  com balde de água aqui, uma brincadeira com peixinhos no aquário ali, fomos conhecer tubarões de perto, vimos pinguins, passeamos descalços pela areia e ao longo dos dias... PLUFT!!! O milagre aconteceu.

Aquela menininha linda, sempre muito amedrontada no quesito água, amanhecia os dias pedindo para cair na piscina, que era muito legal, queria ir à praia, que estava de férias e deu muito trabalho algumas vezes para sair (o choro ganhou motivação no extremo oposto). Até hoje (passados mais de trinta dias das nossas férias) ela fica falando para lá e para cá: "-Você gosta de praia? Eu gosto!".
 
O segredo? A persistência. Ouvir atentamente o instinto. Ignorar falatório e julgamentos da platéia (essa dica vale pra qualquer outra situação na vida, hahahahaha...). Seguir firme. Porque o tempo passa, as coisas mudam, geraçōes vêm e vão, mas dia após dia confirmamos que o amor (sentimento que para mim é sinônimo de uma pessoa linda e tem nome: DEUS) pode tudo. Inclusive auxiliar na superação de traumas ou lembranças negativas.
 
 
Maiara, mãe de Nicole, a mais nova peixa do pedaço.

27 de setembro de 2012

Sopa de Príncipe na PROMOÇÃO de pré-aniversário da Boo Moda E Lúdicos!

 
 
Qualquer bichinho ou personagem da turminha argentina de toy art "Sopa de Principe" está com o preço único de R$45,00.
 
* PROMOÇÃO válida até o dia 11/10 (dia do aniversário da Boo!) 
 
 
"A Sopa de Príncipe é uma fabria de bonecos argentina, com um super design original. Todas as criações nascem da mente criativa da Artista Plástica Verónica Longoni que inventa os personagens bastante divertidos. São animais, bonecas, plantas, almofadas, entre outros. 
 
Verónica Longoni nasceu na província de Buenos Aires, Argentina, em 1970.  Aos 18 anos, matriculou-se na Escola de Belas Artes Prilidiano Pueyrredón, onde estudou gravura, pintura e desenho. Em 1995 começou sua produção oficial como artista plástica e desenhadora de figurino para televisão, cinema e publicidade. 
 
Sua relação com os resultados de design têxtil começa a aparecer em sua produção artistica como suporte tomando tecidos corporalidade se tranformando em seres e bonecas em escala humana. 
 
Do resultado da pesquisa no espaço é sua primeira exposição individual em 1998, que tem lugar no espaço Giesso Reich. partir de 2000, a escala do trabalho é modificado e personagens que compartilharam seu caderno tomar dois caminhos diferentes, alguns são parte de sua produção artisica e outros se tornam os primeiros personagens da Sopa de Prince." 
 
Com a maternidade esses personagem vem cada vez mais aumentando e ficando mais diversificados e divertidos." 
 
Onde fica a Boo? ♥
CLSW 101 - Blº A - Loja 32 - Sudoestes - telefone: (61) 34421050

Vida sem televisão

Foto: Flickr/Creative Commons  by GilbertoFilho

Praticamente todas as famílias brasileiras  possuem televisão (9 em 10). 10 milhões de residências ainda assinam canais pagos. Nós também temos televisão (sem canais pagos), mas assim que nossa filha nasceu, optamos por não assistir mais. Por que?
Percebemos que muitas vezes “relaxamos” na frente da tv, mesmo quando não estava passando nada de interessante. Em vez de conversarmos, caminharmos ou lermos, ficamos horas a frente da tv sem fazer nada.
Quando você tem uma criança em casa, você tem uma resopnsabilidade de educá-la. É muito fácil estacioná-la em frente da televisão e ter um tempo livre para suas coisas. Segunda uma pesquisa (Certain e Kahn, 2002), pelo menos metade das crianças de 2 anos assistem televisão por mais de uma hora por dia.
Não tem muitos dados apontando vantagens da tv. Muito o contrário: vários estudos indicam que o desenvolvimento da fala, a concentração e o comportamento social podem ser prejudicados por causa da televisão. Só quando os pais sabem escolher os programas e limitar o acesso à tv, é possível que as crianças (principalmente as maiores) sejam beneficiadas com as ideias que aprendem na rede televisiva.
Lá em casa a nossa filha assiste DVDs selecionados e de vez em quando libero ela para assistir os programas infantis da Canal Cultura. Ela também vê algumas coisas na internet. Então não é uma criança totalmente isolada do mundo da tv. Ela tem acesso restrito e controlado pelos pais. Parece que conhece até música de uma novela “Carrosel” que eu mesma nunca ouvi falar. Atribuo isso ao pai (risos).
Para os adultos, tv é “permitido” somente depois que a criança já está no sétimo sono. Digo “permitido” entre aspas pois não temos nem vontade para ligar o aparelho. 
E quais as vantagens disso? 
  • Temos mais tempo para passar com nossa filha e conversar com ela
  • Temos mais tempo para conversar entre nós
  • Usamos mais a nossa imaginação e a dela para inventar brincadeiras 
  • Lemos mais: livros, revistas e jornais 
  • Passeamos mais, no parquinho, na quadra, na cidade.

E você, passa muito tempo em frente da tv?
Raisa, mãe de Liina

26 de setembro de 2012

Sorteio do livro: "Filhos - Manual de Instruções Para Pais da Geração X e Y"


Falamos sobre a Geração Baby Boom, Geração X e Geração Y aqui. Entre nós do blog há mamães da Geração X e da Geração Y. Você também faz parte deste universo? Então este post é para você!
Descobrimos um livro bem interessante que foi escrito para nós, filhos da modernidade e que hoje somos pais. Os filhos crescidos na geração que recebeu tecnologia e comodidade de braços abertos e hoje são pais de crianças que não fazem a menor ideia de como era um mundo sem internet e celular, joguinhos, inúmeras facilidades, touch screens e afins.

São tantas dúvidas, tantos anseios, tantos questionamentos e que muitas vezes geram inseguranças na mesma proporção! As perguntas que pairam no universo das Big Motherns Brasília, e é provável que faça parte do seu repertório também, são: Como fazer meu filho comer bem? Como dormir em paz (mesmo tendo filhos)? Como ter filhos educados? Como acabar com os chiliques? Como agir quando meu  filho bate em mim? Como fazê-lo conviver com as mídias de forma saudável?
Confiantes de que criar filhos nunca foi e nunca será receita de bolo, mas que uma ajudinha de gente entendida do assunto é sempre muito bem vinda, o blog Big Motherns Brasília vai sortear entre leitores de todo o Brasil o livro de Tânia Zagury: “FILHOS - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA PAIS DA GERAÇÃO X E Y”. Dentre outras reflexões e abordagens ela fala que conciliar filhos, casamento, trabalho, casa, academia, jantar com amigos, tempo para si mesmo exige ainda mais equilíbrio e bom senso dos pais (veja reportagem da Revista Crescer neste link).
E aí, ficou curioso(a) pelas respostas e ensinamentos da professora Tânia Zagury? Participe do nosso sorteio, enviaremos o livro para qualquer lugar do Brasil. Indique para alguém que você conhece e sabe que é pai ou mãe nascido na Geração X ou Y.

Ah, para participar do sorteio tem que ser seguidor(a) do blog, é requisito, viu gente?! É super fácil seguir, então se você ainda não é cadastre-se como seguidor(a). Mas fique atento(a) e confira: notamos que muita gente nos segue no Facebook mas ainda não segue aqui, veja se não é este o seu caso. É preciso ser seguidor do blog e não somente da página do Face, ok?!

Inscrições até domingo 30/09/12. Preencha o formulário abaixo:

25 de setembro de 2012

1ª Feira de Troca de Brinquedos de Brasília

Vem aí a 1ª Feira de Troca de Brinquedos de Brasília! Dia 30 de setembro, no Jardim Botânico de Brasília!

O Coletivo Infância Livre de Consumismo (infancialivredeconsumismo.com.br) e o Instituto Alana (alana.org.br) estão propondo uma atividade diferente para este Dia das Crianças: a realização de Feiras de Troca de Brinquedos (www.feiradetrocas.alana.org.br)


Serão diversas feiras espalhadas pelo país, totalmente realizadas por voluntários. Em Brasília, a feira será realizada no dia 30 de setembro (um domingo), das 9 às 12 horas, no Jd. Botânico de Brasília.

Quem quiser participar só precisa levar um brinquedo em bom estado que possa ser trocado com outra criança. Também estaremos aceitando doação de brinquedos que serão encaminhados para uma instituição a ser escolhida.

As crianças deverão também levar sua cesta de piquenique com um lanche saudável, suco, água, frutas, e participar de um gostoso piquenique.

Contaremos com algumas oficinas e atividades recreativas: plantio de árvores, educação ambiental, artes, bolhas de sabão com gravetos e linha, teatro, contação de história, história cantada, cantigas de roda, capoeira, atividade de circo, brincadeiras e finalizaremos com um grande piquenique coletivo.

Importante: CASO CHOVA, TERÁ ÁREA COBERTA PARA AS ATIVIDADES!

A ideia é refletir sobre nossos hábitos de consumo, e também despertar a criançada para essa reflexão. Tudo isso, é claro, sem deixar de lado o que é mais gostoso na infância: brincar!

Serviço:
1ª Feira de Troca de Brinquedos de Brasília
Dia 30 de setembro, das 9 às 12 horas, no Jardim Botânico de Brasília
https://www.facebook.com/1aFeiraDeTrocaDeBrinquedosDeBrasilia
Informações: Raquel Fuzaro
e-mail: raquel@fuzaro.net.br

Jardim Botânico de Brasília
Endereço: Setor de Mansões Dom Bosco, Conjunto 12, Lago Sul Telefone: (61) 3366-2141 | 3366-4482

Dr. Petrus responde






O tipo de parto e tudo que pode acontecer antes, durante ou depois são grandes preocupações para as futuras mamães ou as de primeira viagem. Acompanhe as dúvidas de algumas leitoras:

Ana Carolina: Dr. Petrus, desde a adolescência me disseram que meu útero é retrovertido e ouvi inúmeras vezes que isso dificultaria um parto normal. É verdade ou mito?

Dr. Petrus: Olá, Ana Carolina! A presença do útero retrovertido, que é quando o fundo uterino está voltado para a região posterior e não anterior, acontece em torno de 20% das mulheres. Não é uma doença ou anomalia! É apenas uma variedade estrutural!

Muitos mitos existem sobre isso no que se refere aos sintomas, doenças, dificuldade de engravidar ou até mesmo quanto ao tipo de parto.

Durante a gestação, o fundo uterino cresce e se desloca para porção superior do abdome. Desta forma, no final da gestação, os úteros retrovertido, antevertidos ou mediovertidos se tornam semelhantes, podendo ser submetidos a parto normal na mesma facilidade ou dificuldade inerentes à própria paciente e não ao seu posicionamento estrutural.

Atenciosamente e à disposição,

Dr. Petrus Sanchez
CRM-DF 13584
TEGO 0212-2008


Imagens: Google

Como falamos aqui, o Dr. Petrus Sanchez é ginecologista e obstetra. Ressaltamos que as orientaçöes médicas acima possuem caráter meramente informativo, não substituindo a consulta médica necessária. 

24 de setembro de 2012

Encontro de Pais Fotógrafos: como foi.

Lembram do convite que fizemos para nos encontramos em um parquinho no Pontão do Lago Sul para um encontro junto com os fotógrafos Vivi e Luiz

Então, quem compareceu viu como foi uma manhã deliciosa, onde as crianças se divertiram bastante e muitos cliques foram disparados. 

A Vivi e o Luiz tiraram muitas dúvidas, fotos e deram várias dicas bacanas (da melhor cor de roupa a como operar a máquina).

Obrigada por nos convidar para participar de algo tão bacana :-)))



Vejam um pouquinho como foi:







Mais cliques aqui.

Esperamos vocês no próximo!!!

Bjos,

BMB.

1ª Corrida Pão de Açúcar Kids Brasília


No último dia 11 de agosto alguns dos nossos filhotes estrearam nas pistas participando da 1ª Corrida Pão de Açúcar Kids.

Estávamos em débito com o post a respeito, mas agora saiu!!!  #sorry

A palavra que resume aquele momento foi: EMOÇÃO!!!

Sim, foi muito emocionante ver nossos pequenos seres correndo sua primeira prova, felizes por estarem ali.

Torcida a postos
Confesso que quando vi que o percurso seria de “apenas” 50 metros pensei que seria sem graça. Mas que nada!!!! Grande engano.
 
O coração disparou no momento da largada, lágrimas escorreram ao ver um garotinho com dificuldade motora cumprir o percurso a com o apoio da mãe e do andador, foi lindo de viver registar o Roger “coberto” com os números de peito da sua intrépida trupe.

Pai com "P" maiúsculo
O espírito esportivo imperou, mesmo com alguns pais insistindo em arrastar seus filhos pelo braço para correrem mais rápido #vergolhaalheia.
 
Em uma das baterias femininas tivemos nossa galerinha toda por ali, marcando super presença! Chamada da esquerda para a direita: Nicole, Sofia, Iris (escondinha atrás), Laura (que disparou na frente e venceu essa bateria) e Kirsi, todas devidamente acompanhada do papai ou mamãe.


Gu em disparada
E foi tudo como nas corridas dos adultos: chip no pé, número de peito, lanchinho pós prova, medalha! 





Nossas crianças se divertiram a valer antes, durante e depois da prova.





Super demais!!! Mega orgulho. Que venham as próximas.

Um abraço da Amanda, mãe do miniatleta Gustavo.

Deixo aqui o vídeo que fiz sobre esse momento, para nós, inesquecível!