31 de outubro de 2014

Vocês conhecem o ALPAPATO?



   (reprodução do http://annalaura.org.br/)
O mundo está cheio de belas iniciativas não é mesmo? E por isso resolvi compartilhar aqui no nosso blog um projeto incrível que tomei conhecimento há alguns meses num post do Catracalivre, o ALPAPATO.  

 Anna Laura Parques para Todos, ou ALPAPATO, é um projeto de inclusão, destinado a criar parques de diversão onde TODOS possam se divertir.
Ele foi criando por Rudi (Rodolfo Fischer), após perder sua filha num trágico acidente de carro. 

O Projeto ALPAPATO, foi criado como uma homenagem a Anna Laura Petlik Fischer, uma menina alegre, linda, saudável e inteligente que nos deixou em 30/05/2012.
O Projeto ANNA LAURA PARQUES PARA TODOS disponibiliza espaços estruturados que proporcionam alegria, integração, motivação para todos, uma vez que é composto por diversos recursos lúdicos que propiciam às crianças com e sem deficiência um momento de troca ao compartilharem as mesmas experiências. (extraído do http://annalaura.org.br/)

O primeiro ALPAPATO fica na AACD do Parque da Mooca, em São Paulo. Lá existem 15 brinquedos adaptados, que integram pessoas e favorecem a recuperação das crianças com deficiências, de maneira lúdica, sem deixar de lado as figurinhas carimbadas que são comumente encontradas nesses ambientes, como balanços e outros brinquedos tradicionais.

                                                             (reprodução do http://annalaura.org.br/)

Os objetivos do projeto:
Promover a acessibilidade social de crianças com deficiência;
educar, socializar e divertir;
criar espaços para lazer de crianças que permita acesso abrangente e a convivência de crianças com ou sem deficiência;
criar e ofertar sem ônus, tecnologia de parques acessíveis ao ar livre para todos;
criar polos de ação e de lazer para crianças com deficiências;
difundir um novo conceito de acessibilidade social.

Os princípios:
Ética e respeito;
estrito seguimento às regras existentes em cada local;
criar valor sem visar lucro financeiro;
permitir o uso da tecnologia desenvolvida para outros projetos sem fins lucrativos que visem o bem estar da comunidade;
custo reduzido com alta durabilidade e baixa manutenção.


Sensacional não é?
E tem muito mais no http://annalaura.org.br/. Não deixem de conhecer. Ele é lindo e muito informativo. Lá é possível conhecer os brinquedos adaptados e qual a proposta pedagógica de cada um, além de saber quem são os colaboradores do projeto, e qual o roteiro para criar um parque, que vai desde os trâmites burocráticos que envolvem as autorizações para uso do espaço público até os cuidados em relação aos fabricantes dos brinquedos.

Parabéns aos idealizadores e realizadores do projeto!

E se você conhece iniciativas bacanas como essa, compartilhe conosco. 

Andréa, mãe do Gabriel




27 de outubro de 2014

Mãe conectada!


Toda ajuda nesta nova fase é válida, não é? Às vezes olhamos em volta e parece que tudo está fora de controle, horários, peso, noites de sono, ruídos desconhecidos, afazeres domésticos, enfim... Os dilemas de uma mãe recém-chegada a essa função são muitos! Mas não deixa de ser a experiência mais maravilhosa da vida.

A grande maioria das mães dessa geração é conectada, informada, moderna, então nada mais justo que vários aplicativos de smartphone e tablets fossem desenvolvidos pensando em nós, mulheres multifuncionais que dividem tempo entre filhos, lar, trabalho, relacionamento e tantas outras coisas. Mas apesar de auxiliarem, os aplicativos podem trazer transtornos caso não sejam confiáveis. Antes de tudo, um bom antivírus deve ser instalado. Afinal, a tecnologia está aí para facilitar e nos ajudar a ter mais tempo tranquilas com nossos bebês.

• MVA Baby Monitor 

Este é um aplicativo que transforma o gadget em uma babá eletrônica digna de marcas famosas. O MVA Baby Monitor é um aplicativo ideal para quem acabou de se tornar mãe e precisa de ajuda para cuidar do soninho do bebê. Ele monitora o nível de ruídos do quarto e recebe um alerta quando o grau de som detectado estiver acima do configurado. Semelhantes a este, existem o Baby Monitor e o Dormi – Baby Monitor, ambos softwares pagos com versões de experimentação. Vale a pena tentar. 

• Meu bebê caixas de música 

Se houver dificuldades para fazer o recém-nascido dormir, então vale a pena experimentar este aplicativo. Basicamente, é uma caixinha de som com diversas melodias que encartam e adormecem os pequeninos. As canções seguem o mesmo padrão de móbiles, daqueles que ficam pendurados em cima dos berços. Se esse app não funcionar é possível tentar com outras alternativas, como o Sleepy Sounds Free ou o Sound to children sleep. 

• Smile Mom - app for mothers 

Uma rede social desenvolvida para as mamães corujas compartilharem imagens de seus bebês. Não é fofo? No Smile Mom, existe a possibilidade de aplicar filtros e efeitos visuais nas fotos e o app do serviço traz uma timeline onde é possível acompanhar atualizações de status e novas fotografias dos adicionados. Uma das funções mais interessantes é visualizar os contatos que estão perto de você, criando assim amizades e compartilhando informações sobre os bebês. 

• Horóscopo do Bebê 

O Horóscopo do Bebê é um software interessante para quem já tem filhos ou está esperando um. As mamães que acreditam e acompanham seus signos, podem conferir as principais características da criança, entendendo melhor as necessidades dos bebês conforme as tendências astrológicas. Para isso, o app mostra informações sobre a aplicação da personalidade de cada signo em bebês e crianças. 

• Mad Alert 

Este aplicativo é fundamental para os momentos em que o bebê estiver em tratamento com medicamentos. Quando o filho fica doente, é um período delicado em que ele depende muito dos cuidados da mamãe e nada é tão importante quanto a saúde dele, mas com a correria e o descontrole possível de horários, o MadAlert pode auxiliar com lembretes da hora exata de cada medicamento. 

Texto escrito por Larissa Landucci



Vote tem uma experiência a compartilhar, uma dica de produto legal, sabe de algum lugar pra se divertir com a criançada? Faça como a Larissa e colabore com o Big Motherns Brasília! Basta mandar seu relato para o e-mail maesdebrasilia@gmail.com que teremos o maior prazer em publica-lo aqui.

23 de outubro de 2014

Eu li um livro na escola da minha filha

Um dia enquanto lia os recados da agenda escolar de minha filha, fiquei encantada com o convite que a escola fez aos pais para participarem de um momento com as crianças.
Seriam três dias reservados à integração entre os pais e a escola - o pai ou a mãe poderia escolher a atividade e agendar.
Topar, eu já havia topado assim que li. Faltava acertar o dia e a hora. Após contato com a professora da turminha, fui lá de coração aberto, mas sem saber o que me aguardava.
Gente!...
Que experiência incrível!
Sentei no chão com a criançada, formamos um círculo e ali comecei.
O livro que escolhi para ler foi "Um amigo muito especial", sobre o qual falei neste post aqui.
Os olhinhos atentos, ansiosos pelo que iriam ouvir, ficaram guardados em meu coração.
Volta e meia um ou outro interrompia, queria participar, contar algum caso, dizer que já viveram algo parecido ou que já fizeram a mesma brincadeira de um dos personagens.
Ao final, fiquei muito feliz com a receptividade das crianças, da professora e das monitoras.
Aprovei a iniciativa da escola e a intenção de inserir os pais dos alunos na rotina deles - e pensei que a prática poderia ser regra para todas as outras escolas infantis no mundo. Aqui deixo a sugestão para que você tome a iniciativa de se oferecer para fazer o mesmo, caso a escola não tenha feito. A experiência é muito válida, tanto para a escola quanto para os pais!
Na imagem está o registro de um dia que nunca vou esquecer.
Um beijo, Maiara, mãe de Nicole.

20 de outubro de 2014

Pergunte ao Dr. Petrus - Gestação Ectópica

Dr Petrus,

Fiquei grávida há 2 anos e foi uma gestação ectópica. Agora estou tentando engravidar novamente e tenho medo que volte a acontecer.
Existe alguma correlação com problema de saúde ou fator genético que favoreça esse tipo de situação?
Moro no interior e fico com receio de não ter um suporte adequado para essa nova gestação ser tranquila. Aliás, o que leva a esse tipo de gestação?

Desde já agradeço.
Meu nome é Paulinne, tenho 34 anos e ainda não tenho filhos.
  
Olá, Paulinne!

Existe um risco maior sim de gestação ectópica para quem já teve quadro semelhante anterior.
Isso ocorre pela dificuldade do óvulo fecundado em seguir à cavidade uterina, o que pode ser ocasionado por doenças relacionadas às trompas (cirurgias prévias, infecções anteriores, defeitos congênitos, endometriose, gestação ectópica anterior, ...) ou por causas desconhecidas. Não há uma doença genética, seja do embrião ou materna, que esteja correlacionada com gestação ectópica.
Aconselho que faça um acompanhamento com aconselhamento pré-concepcional antes da próxima gravidez e que, quando estiver grávida, permaneça em local onde possa ter uma melhor assistência médica até que se comprove à localização correta de implantação do embrião (geralmente em torno de 6 semanas).
Atenciosamente e à disposição,

Dr. Petrus Sanchez
CRM-DF 13584
TEGO 0212-2008

PACIENTES E FAMILIARES: As orientações médicas acima possuem caráter meramente informativo, não substituindo a consulta médica presencial necessária.

13 de outubro de 2014

Fui e Aprovei: Restaurante e Pizzaria São Paulo - Para os grandes, e pequenos também!


Quem tem filho pequeno sabe bem que na hora de escolher um lugar pra comer fora a gente sempre pensa com carinho nos pequenos. Seja em relação ao cardápio ou na estrutura do espaço.

Meu Gabriel acabou de fazer 5 anos, e minhas “necessidades” hoje são um pouco diferentes de quando ele era um bebê. Agora, por exemplo, se o restaurante tiver brinquedoteca já ganha prioridade na escolha, mas a bola da vez já foi ambiente silencioso, fraldário, estacionamento coberto, etc.

Por isso, a dica de hoje é Restaurante/Pizzaria/Choperia São Paulo, que inaugurou recentemente em Taguatinga (pra quem é da região, na famosa praça do DI). A BMB Mayara tinha comentado sobre o lugar e há alguns dias estava passando por perto e resolvi ir lá conhecer.

O lugar é bem legal. Espaçoso, atendimento bom, buffet farto e com preço camarada. (R$ 19,90 buffet de massas e petiscos + rodízio de pizza).
Tudo que experimentei estava bom, fresquinho e com tempero gostoso. A pizza agrada quem gosta de massa fina (eu!!!).
 




Fui numa quinta-feira a noite, e sai antes da 22h. Até esse horário tudo muito tranquilo para criançada. O espaço da brinquedoteca é bem grandinho e tem até uma monitora (e sendo bem sincera, não gostei muito da moça que estava lá. Não vi nenhum comportamento inadequado, ou algo que valesse uma reclamação com a gerência, mas acho que ela não estava gostando muito do serviço dela, rs).


Fica a dica!
Restaurante São Paulo (CNA 2, Praça do DI, Taguatinga) fui e aprovei!

  

(Não tem banheiro só de criança,e não vi fraldário, mas no feminino tem uma bancada grande que dá pra  trocar fralda)





Andréa, mãe do Gabriel



9 de outubro de 2014

O desenho das crianças

Quando aprendem a desenhar o papai, a mamãe, a casa, o sol, as árvores, tudo tão colorido...
Qual é a mãe que não baba nos desenhos dos filhos?
Desde quando não passam de rabiscos, os papéis riscados encantam.
A gente recebe como se fossem presentes, "acabados de sair do forno ".  Já ganhei de presente até desenhos das amigas de minha filha, que fizeram com todo o carinho. Laurinha,  filha de Raquel (big mothern), Laís e Melissa são queridas da Tia Mai, rs!
O desenho das crianças são tão fofos que a mamãe Angelina Jolie usou os traçados dos próprios filhos para compor seu vestido de noiva.
O véu foi bordado com desenhos coloridos feitos pelas crianças do casal.
As mamães ao redor do mundo suspiraram de lindo...
\0/
Outro dia fui na internet em busca um site que explicasse o significado dos desenhos dos filhos e encontrei alguns links interessantes.
Aqui, aqui, e aqui.
Confesso que li, li, li, pensei, tentei fazer associações, mas ao final...
Prevaleceu a boa e velha babação.
Os desenhos de nossos filhos não passam de folhas de papel riscadas para outras pessoas.
Podem ter inúmeros significados para a psicologia.
Para mim, é a prova mais linda de que ela cresce, descobre um mundo legal e divertido, onde se sente à vontade para expor sua arte.
Guardo quase todos - sei que mais dia menos dia terei que descartar alguns pelo tanto de papel acumulado.
Nada paga a sensação de ouvi-la perguntar se eu olhei o coração que está pregado em minha agenda quando fico com saudade enquanto ela está na escola.
E o desenho de seus pequenos, o que significam (para você, é claro!)?
Um beijo, Maiara, mãe de Nicole.

6 de outubro de 2014

"Escova, escova, escova pra mamãe ficar contente"


Recentemente levei meu pequeno Gabriel ao dentista.
Foi tudo tranquilo, em todos os sentidos. Com direito a elogio pelo sorriso bonito (eba!).
Enquanto esperava nossa vez não pude deixar de observar a conversa recheada de dúvidas e conselhos das mães que também estavam por ali aguardando atendimento.
- Ele escova sozinho?
- Que tipo de escova usa?
- E o creme dental, com ou sem flúor?
E o bate-papo sobre a saúde bucal dos pequenos rolou solto.
Algumas mães ainda não deixam o filho escovar sozinho, outras fazem questão que isso aconteça; algumas relatam que o filho não consegue usar o fio dental, apenas “brinca” com ele na boca; outras afirmam orgulhosas que o filho já usa “direitinho”.
Percebi que existe um consenso sobre o assunto, mas que por motivos diversos, cada família acaba adotando um hábito diferente na hora de ensinar essa higiene tão importante.
Tá interessado em saber um pouco mais sobre crianças e higiene bucal? Então dá auma olhadinha nessas dicas do Dr. Marcelo Bonecker, odontopediatra Presidente da Aliança para um Futuro Livre da Cárie no Brasil; Dr. Dóris Rocha Ruiz, odontopediatra da USP: 

A escova certa
Até os 6 meses do seu filho, o mais indicado é fazer a limpeza da boca dele com gaze ou fralda de tecido seca ou umedecida com água filtrada. Aí, basta massagear a gengiva suavemente. Caso você opte pela dedeira, será preciso lavá-la e esterilizá-la depois do uso.
Depois do primeiro semestre de vida, existem modelos específicos de escova para cada faixa etária, basta checar a indicação na embalagem. A quantidade de cerdas, que sempre devem ser macias, e o tamanho da cabeça vão evoluindo de acordo com o aparecimento dos dentes. E lembre-se de que a escova deve ser trocada mensalmente ou sempre que estiver em mau estado (com as cerdas muito abertas, por exemplo).

A quantidade de pasta
Na hora de usar o creme dental, prefira os infantis, com sabor e concentração de flúor próprios para crianças. O produto para adultos não é proibido (exceto os formulados para clareamento ou combate à sensibilidade – problema que não costuma sugir entre os pequenos mas, se acontecer, deve ser tratado no consultório). Coloque o equivalente à metade de um grão de arroz cru para bebês com até oito dentes da frente. Se a criança já tiver os do fundo, dobre a porção. Por volta de 2 a 3 anos, quando ela já souber cuspir, o parâmetro será um grão de ervilha. A partir dos 5 anos, aumente a quantidade gradualmente.


A importância do fio dental
Para que seu filho se acostume com o fio dental, você deve passá-lo desde cedo, à medida que o dente for nascendo um do lado do outro. Ele não só elimina restos de alimentos como remove a placa bacteriana. O fio deve ser usado diariamente (ou pelo menos em dias alternados). E, por falar em frequência, a escovação também precisa ser regular. No caso dos bebês, ela deve ser realizada apenas duas vezes: uma pela manhã e outra à noite. Após o primeiro ano, a rotina alimentar já estará mais definida. Aí, será necessário fazer a higiene bucal três vezes ao dia, sempre depois das refeições. Já os enxaguantes bucais só devem ser utilizados com orientação de um especialista e a partir dos 6 anos.
 
Como escovar
Aprenda o passo a passo para uma escovação completa:
1. Com a escova paralela à linha da gengiva, faça, durante dez segundos, movimentos circulares em grupos de quatro dentes.
 
2. Em seguida, as cerdas devem deslizar da gengiva para a ponta dos dentes, inclusive na superfície interna deles.
 
3. Escove os dentes do fundo com movimentos de vai e vem (trenzinho).

4. Por fim, passe a escova nas bochechas e na língua, pois ali ficam bactérias capazes de causar mau hálito.


Andréa, mãe do Gabriel

Fonte: http://www.clicksergipe.com.br/1n_blog.asp?postagem=87189

2 de outubro de 2014

Ensinando com as eleições



Cidadania é algo que podemos ensinar?

Como aproveitar estes últimos dias antes das eleições para começar a conversar com as crianças sobre a importância das escolhas corretas para o país?

Será que o caminho é transportar suas paixões (sou impressionada com o fato de que ainda há pessoas que tratam eleições com a mesma paixão com que torcem para seus times de futebol ou para a escola de samba do coração. Alguns esquecem até mesmo das ideias, porque se prendem a dicotomias que nem existem mais no plano das realidades...enfim, papo para outro post em outro tipo de blog)?

Ou será que há meios de ensinar seu filho a olhar com os próprios olhos, fazer as próprias escolhas?

Tantos questionamentos, não é mesmo?

Bem. Acredito que cada idade tenha o seu desafio. E que, quanto maiores as crianças ficam, maiores são as opções de atividades que ajudem a introduzir as noções necessárias para forjar bons eleitores.



Por outro lado, no caso dos pequeninos, por exemplo, de pouco adiantará explicar aspectos profundos da política. Mesmo assim, talvez já seja possível apresentar para eles alguma coisa relacionada ao tema "eleições".

Outro dia, meu filho, após ver uma propaganda, me perguntou o que era #vempraurna . Expliquei que a urna era onde as pessoas colocavam seus votos. E o que é voto, mãe? É um papel (pessoa velha!!!rsrs) onde cada um escreve o nome de quem escolheu para trabalhar no governo e ajudar o nosso país....

Corri pro computador, na esperança de encontrar algum exemplo, e olhem só o que eu achei: um simulador de urna ! O site do TSE tem um simulador, onde é possível "votar" em um dos candidatos do Partido dos Esportes para cada um dos cargos públicos em disputa nas eleições 2014.




A farra foi geral, os meninos adoraram o "barulhinho" da urna! E eu também aprendi uma lição: não interferir nas escolhas (eu queria que o Judô ganhasse pra presidente, mas ambos escolheram o Futebol...paciência), mas apenas ensinar que, quaisquer que sejam, elas trarão consequências diretas para a vida deles....(no caso, descemos para jogar futebol!).

Abraços e boas escolhas, Lucyanna (mãe do JP e do GB, desde já com ideias próprias)